Após licença maternidade, delegada retorna ao Núcleo de Proteção a Mulher em Santo Anônio de Jesus - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Após licença maternidade, delegada retorna ao Núcleo de Proteção a Mulher em Santo Anônio de Jesus

Após licença maternidade, delegada retorna ao Núcleo de Proteção a Mulher em Santo Anônio de Jesus

Share This


A responsável pelo núcleo de proteção a mulher, vítima de violência doméstica em Santo Antônio de Jesus, a delegada Dr. Patrícia Jaques, está de volta a 4ª Coorpin após uma licença maternidade. Em entrevista a RBR, a delegada pontuou sobre o funcionamento do núcleo e a acuidade da mulher ao denunciar seu agressor, “estou de volta ao núcleo de proteção a mulher, esclarecendo a população da importância da Lei Maria da Penha, do cumprimento das medidas de protetivas. O núcleo está funcionando e as mulheres que se sentirem feridas podem me procurar na delegacia, pois estou atuando fortemente a esse tipo de violência”, declarou. Segundo a delegada, diariamente há ocorrências de violência doméstica em Santo Antônio de Jesus dentre crimes de ameaça, injuria e lesões corporais. Além disto, Dr. Patrícia comentou sobre a implantação de uma DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), “estamos com o índice altíssimo, por isto precisamos fazer um trabalho preventivo de esclarecimentos da Lei Maria da Penha e das consequências que podem gerar ao homem agressor. A DEAM é de extrema importância para a sociedade, pois com ela, temos estrutura fixa, viaturas e pessoal qualificado no atendimento as mulheres. Vou retomar essa luta para a construção desta delegacia”, falou.
Novidades na Lei Maria da Penha: Recentemente, a Lei nº 11.340 sofreu atualizações nesta última semana. Segundo a delegada, foi publicado no Diário Oficial da[WR1] União uma inclusão na Lei Maria da Penha, que tipifica o crime de descumprimento das medidas protetivas de urgência, “o homem que infringir uma medida protetiva, ele poderá ser preso em flagrante. A pena desse artigo é a detenção de 3 meses a 2 anos”, concluiu. 
Redação: Voz da Bahia

Nenhum comentário:

Pages