PF investiga líderes de seita religiosa que teriam escravizado fiéis na Bahia - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

PF investiga líderes de seita religiosa que teriam escravizado fiéis na Bahia

PF investiga líderes de seita religiosa que teriam escravizado fiéis na Bahia

Share This


Polícia Federal, com o apoio do Ministério do Trabalho, deflagrou na manhã desta terça-feira (6) a “Operação Canaã – A Colheita Final”. A ação acontece na Bahia, Minas Gerais e São Paulo, e conta com 220 policiais federais e 55 auditores fiscais do Ministério do Trabalho.

Segundo a Polícia Federal (PF), o objetivo é dar base à investigação que apura crimes de redução de pessoas à condição análoga à de escravo, de tráfico de pessoas, estelionato, organização criminosa, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. Eles teriam sido cometidos por líderes da seita religiosa conhecida como “Comunidade Evangélica Jesus, a Verdade que Marca” que atuava em municípios mineiros, baianos e paulistas.

Policiais federais cumprem 22 mandados judiciais de prisão preventiva, 17 mandados judiciais de interdição de estabelecimento comercial e 42 mandados judiciais de busca e apreensão, todos expedidos pela 4ª Vara Federal em Belo Horizonte/MG. 

Segundo a PF, desenvolvida com a participação do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do M.T.E, a investigação aponta que dirigentes da seita religiosa teriam aliciado pessoas em sua igreja em São Paulo/Capital, convencendo-as a doarem todos os seus bens para as associações controladas pela organização criminosa. Para tanto, teriam se utilizado de ardis e doutrina psicológica, sob o argumento de convivência em comunidades, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados.

A polícia explica que, depois de devidamente doutrinados, os fiéis teriam sido levados para zonas rurais e urbanas na Bahia (Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra), em Minas Gerais (Contagem, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas), e em São Paulo (Capital). Nestes locais, as vítimas teriam sido submetidas a extensas jornadas de trabalho, sem nenhuma remuneração. Eles trabalharam em lavouras e em estabelecimentos comerciais dos mais variados tipos, como oficinas mecânicas, postos de gasolina, pastelarias, confecções etc.

Por meio da apropriação do patrimônio dos fiéis e do desempenho de atividades comerciais sem o pagamento da mão-de-obra, a seita teria acumulado vultoso patrimônio, contando com casas, fazendas e veículos de luxo. Atualmente, estaria expandindo seus empreendimentos para o estado do Tocantins, baseados na exploração ilegal.

A investigação teve início em 2011, quando a seita estava migrando de São Paulo para Minas Gerais. Em 2013, foi deflagrada a “Operação Canaã”, com inspeções em propriedades rurais e em algumas empresas urbanas. Em 2015, foi desencadeada sua segunda fase: “De volta para Canaã”, quando foram presos temporariamente cinco dos líderes da seita. A deflagração de hoje representa a terceira fase da Operação, com a prisão preventiva de 22 líderes da seita, que poderão cumprir até 42 anos de prisão, se condenados.

O nome da Operação é uma referência bíblica à terra prometida.

Nenhum comentário:

Pages