Município mais pobre do Brasil fica na Bahia, aponta pesquisa do IBGE - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Município mais pobre do Brasil fica na Bahia, aponta pesquisa do IBGE

Município mais pobre do Brasil fica na Bahia, aponta pesquisa do IBGE

Share This


Segundo dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Novo Triunfo, localizada a 560 km de Salvador, no nordeste do estado, é o município mais pobre do país. Pelos dados da pesquisa Produto Interno Bruto dos Municípios 2015, feita pelo instituto, a cidade do semiárido baiano gerou apenas R$ 3.369,79 de riqueza por habitante.

Para justificar a posição (5.570ª) ocupada pela cidade baiana, que tem 28 anos de emancipação, o IBGE levou em consideração o critério adotado pelo Banco Mundial, que considera pobre quem ganha menos do que US$ 5,5 por dia nos países em desenvolvimento, esse valor equivale a uma renda domiciliar per capita de R$ 387 por mês.

“Nem-nem”

O estudo observou que, em Novo Triunfo, administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social, enquanto atividades econômicas, participavam com 65,7% do valor adicionado bruto total. Enquanto o município baiano apresenta uma riqueza de R$ 3.369,79 por habitante, a cidade de Presidente Kennedy, no Espírito Santo, primeiro colocado no ranking, registrou R$ 513.134,20 de riqueza por morador em 2015. Em segundo lugar aparece Paulínia, em São Paulo, com R$ 276,9 mil. Assim como em Novo Triunfo, a pesquisa aponta que, em 2015, 3.170 municípios no Brasil tinham como principal atividade econômica a administração, defesa, educação e saúde públicas e seguridade social.

Diante a ainda delicada situação econômica do país, o número de jovens entre 16 a 29 anos que não estudavam e nem trabalhavam cresceu consideravelmente nos últimos dois anos, destaca o relatório do IBGE com dados do Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Conhecidos como geração “nem-nem”, o número cresceu 4,5 pontos percentuais desde 2014 – 32,2% só em 2016.

De acordo com a pesquisa feita pelo IBGE, os “nem-nem” aumentaram no Nordeste acima da média nacional: 30,1% e 25,8%, respectivamente. A Bahia teve o quarto maior número de jovens nessa situação, com 33,9%. Alagoas lidera com 37,5%, Pernambuco segue com 36,9% e o Maranhão tem 36,3%. Em todo o país, o Amapá foi o único estado em que se constatou decréscimo no percentual de jovens que não estudavam nem estavam ocupados, mas somente quando analisado o período de 2014 a 2016.

Em 2013, esse percentual no estado baiano era de 24%. Já em 2016, pouco mais de um em cada três jovens nas faixas de 18 a 24 anos (33,7%) e de 25 a 29 anos de idade (33,9%) não estudavam nem estavam trabalhando, alerta o IBGE. De acordo com dados do instituto, no ano passado cerca de um milhão de baianos estão dentro do grupo conhecido como “nem-nem”.

Apesar de apresentar números altos, a proporção dos “nem-nem” na Bahia segue indicadores do Brasil como um todo, com o crescimento de jovens nessa situação a partir de 2014, principalmente entre 2015 e 2016. Pelo relatório do IBGE, esta categoria aumentou de 34,2 milhões em 2012 para 41,25 milhões em 2016 – um aumento de 20,5% em quatro anos.

O levantamento relaciona o crescimento dos “nem-nem” ao desemprego no país, apontando que o número de pessoas deste grupo fora do mercado de trabalho formal saltou de quatro milhões para 6,3 milhões entre 2012 e 2016, cujo aumento representa 57% neste período.

Gênero e raça

Quanto ao aspecto educacional, a maior incidência de jovens que não estudavam nem estavam ocupados, como aponta o IBGE, é entre aqueles que têm fundamental incompleto ou equivalente. No indicativo ‘raça’, o percentual de jovens que não estudavam nem estavam ocupados em 2016 de todo o Brasil era maior entre aqueles de cor ou raça preta ou parda (29,1%) do que entre os brancos (21,2%). As mulheres pretas ou pardas, enfatiza o levantamento, foram o grupo mais afetado pelo fenômeno (37,6%).

A diferença entre o percentual de homens e o de mulheres que não estudavam nem estavam ocupados ficou em 13,7% e, como ressalta o IBGE, se acentua nos grupos mais velhos. Entre homens de 25 a 29 anos de idade, 16,6% não estudavam nem estavam ocupados, enquanto entre mulheres da mesma faixa etária o percentual era de 34,6%. Com o aspecto educacional como vetor, os dados do IBGE indicam que as mulheres sem instrução ou com ensino fundamental incompleto recebiam 20,6% menos que homens de mesmo nível.
(A TARDE SP)

Nenhum comentário:

Pages