Governo brasileiro não apoia decisão dos EUA sobre Jerusalém - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Governo brasileiro não apoia decisão dos EUA sobre Jerusalém

Governo brasileiro não apoia decisão dos EUA sobre Jerusalém

Share This


Jerusalém, e sua condição de capital de Israel, ocupa a pauta global do momento. Um dia após o presidente Donald Trump fazer valer a lei aprovada pelo Congresso de seu país e mudar o status da cidade, anunciando a mudança da embaixada para lá, o governo brasileiro se pronunciou. A nota oficial publicada no site do Itamaraty diz que o entendimento do governo brasileiro é que “o status final da cidade de Jerusalém deverá ser definido em negociações que assegurem o estabelecimento de dois estados vivendo em paz e segurança dentro de fronteiras internacionalmente reconhecidas”. A opção de Temer é seguir as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, e defende que “as fronteiras entre os dois estados deverão ser definidas em negociações diretas entre as partes tendo por base a linha de junho de 1967”. Isso equivale a dizer que o Brasil é favorável à divisão de Jerusalém em duas, ficando a porção oriental como capital de um futuro Estado palestino. A nota lembra ainda que “O Brasil mantém relações diplomáticas com Israel desde 1949 e reconheceu o Estado da Palestina em 2010”. Na balança diplomática, a relação com os palestinos é mais valorizada. Isso já era evidente nas votações na UNESCO e na ONU, onde o país se alinhou com os países muçulmanos e aprovou dezenas de resoluções em desfavor de Israel. Uma das mais recentes “desautoriza os laços israelenses com Jerusalém”. O placar da aprovação dessa proposta foi de 151 votos favor e seis contra, com nove abstenções.
O Ministério das Relações Exteriores, ainda sob a batuta de Aloysio Nunes, vai na direção contrária do presidente Donald Trump. Os motivos para o Brasil continuar com a mesma política dos últimos 13 anos não são claros. O Partido dos Trabalhadores doou dinheiro de impostos para o grupo terrorista palestino Hamas, declarou o reconhecimento da Palestina como nação independente, e cedeu terreno para a construção de sua embaixada em Brasília – a única do tipo fora do Oriente Médio na época. A comunidade internacional, em grande parte, ainda debate como vai lidar com Israel a partir de agora. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu convidou as outras nações para que sigam o exemplo dos EUA. Até o momento, apenas as Filipinas e a República Checa fizeram essa opção. Em abril, a Rússia já havia anunciado o reconhecimento de Jerusalém ocidental como capital de Israel, mas ao mesmo tempo defendeu Jerusalém Oriental como a capital de um futuro estado da Palestina. O Conselho de Segurança da ONU irá se reunir para debater o assunto nesta sexta-feira (8), enquanto o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, mobilizará todos os países muçulmanos em uma cúpula dia 13, em Istambul.

Nenhum comentário:

Pages