Justiça Federal aceita novo pedido de prisão do empresário Jacob Barata Filho - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Justiça Federal aceita novo pedido de prisão do empresário Jacob Barata Filho

Justiça Federal aceita novo pedido de prisão do empresário Jacob Barata Filho

Share This


A Justiça Federal aceitou o pedido de reestabelecimento de prisão preventiva do empresário Jacob Barata Filho, conhecido como o “Rei do Ônibus” – a solicitação foi feita pelo Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro. Segundo informações da Agência Brasil, a decisão da juíza substituta da 7ª Vara Federal Criminal, Caroline Vieira Figueiredo, levou em consideração o descumprimento de medidas cautelares determinadas em agosto pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que condicionaram a saída de Jacob do regime fechado para cumprir prisão domiciliar. O empresário havia sido preso durante a Operação Ponto Final, como foi batizada a 12ª fase da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele foi alvo de nova operação, a “Cadeia Velha”, nesta terça-feira (14), e em sua residência foram encontrados documentos que comprovam o descumprimento das medidas cautelares exigidas no habeas corpus. Foram apreendidos relatórios de gestão das empresas, e-mails com solicitação de autorização de pagamento e anotações pessoais com uma proposta de reformulação do Conselho da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor). A defesa do empresário contestou a nova prisão do empresário e a classificou como ilegal. “Não há qualquer fato novo entre a soltura dele e o presente momento que justifique qualquer nova medida em seu desfavor. Existe uma sequência de ilegalidades por parte do Ministério Público Federal, que busca fazer uma interpretação indevida e extensiva de um acórdão de uma ordem colegiada do Supremo Tribunal Federal”, destacou a defesa, ao acrescentar que “lamenta profundamente que a única forma encontrada pelo MPF para processar alguém criminalmente seja através da privação antecipada e indevida da liberdade”. 

Nenhum comentário:

Pages