Ex-prefeito de Simões Filho, Eduardo Alencar perde direitos políticos e tem vida política complicada - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Ex-prefeito de Simões Filho, Eduardo Alencar perde direitos políticos e tem vida política complicada

Ex-prefeito de Simões Filho, Eduardo Alencar perde direitos políticos e tem vida política complicada

Share This


A Justiça Federal condenou o ex-prefeito de Simões Filho, Eduardo Alencar (PSD), irmão do senador Otto Alencar, por improbidade administrativa. Eduardo teve os direitos políticos suspensos por cinco anos, o que vai interferir diretamente em sua vida política. Isso porque nos bastidores da política a informação é de que ele seria candidato a deputado estadual com apoio do irmão. 

De acordo com o Ministério Público Federal da Bahia (MPF-BA), Eduardo Alencar teria beneficiado a empresa Marpel Engenharia LTDA na licitação para a construção de quadra poliesportiva do distrito de Mapele, assim como na execução de obras de infraestrutura urbana, na gestão de 2001 a 2004.

Os recursos para as obras eram oriundos dos ministérios do Esporte e das Cidades, segundo a denúncia.
Joseládio Oliveira de Lima, Virgínia Lúcia de Sousa Portela, Justiniano Ferreira da Conceição, enquanto membros da Comissão de Licitação, e Orlando Marques de Figueiredo Filho e Marpel Engenharia LTDA também foram condenados. A então secretária municipal de Infraestrutura, Claudia Campos e Silva, foi absolvida pela Justiça por falta de provas.

A Justiça proibiu os condenados de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica, pelo prazo de cinco anos. Também determinou a perda da função pública, caso ainda estejam no exercício dos cargos que exerciam quando praticaram o ato de improbidade.

Negando as denúncias, Eduardo tem se apoiado em pareceres preliminares do Tribunal de Contas dos Municípios, que aprovariam suas contas durante a gestão. O ex-prefeito pode recorrer da decisão.

Nenhum comentário:

Pages