Ministério da Saúde cogita excluir insulina do programa Farmácia Popular - Mg Noticias.net

Mg Noticias.net

Mg Notícias aqui você fica bem informado!

Ministério da Saúde cogita excluir insulina do programa Farmácia Popular

Ministério da Saúde cogita excluir insulina do programa Farmácia Popular

Share This


A insulina pode ser retirada do programa Aqui Tem Farmácia Popular. O Ministério da Saúde tem estudado a medida, caso o preço pago pelo produto não seja diminuído. De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a ação é uma estratégia da pasta para tentar reduzir o orçamento do programa. Criada nos governos do PT, a iniciativa atualmente beneficia cerca de 9,8 milhões de brasileiros. Segundo a proposta, a distribuição do produto passará a ser realizada apenas nos postos de atenção básica, caso o valor pago pelo Ministério às farmácias não seja reduzido. Cerca de 30% do acesso ao produto no Brasil ocorre por meio das farmácias credenciadas ao programa, conforme estimativas de mercado. O ministro da Saúde Ricardo Barros afirmou que a pasta paga R$ 27,50 pela unidade do produto distribuída no Farmácia Popular, quase três vezes mais do que é desembolsado para o produto distribuído na rede pública: R$ 10. "O objetivo é sensibilizar os parceiros para diminuir essa diferença de custo e ampliar a oferta de medicamentos", justificou o ministro. Ainda de acordo com a proposta da pasta, se não houver acordo, a insulina deixaria de ser distribuída no programa a partir de 1º de janeiro. Procurado, no entanto, o ministério disse não haver data definida. Atualmente, o investimento no programa é de R$ 2,6 bilhões. Caso nenhuma mudança seja feita, o governo estima que, para 2018, o Farmácia Popular exigiria R$ 3 bilhões. O ministro da Saúde propõe reduzir a base de cálculo dos remédios, o que poderia trazer economia de R$ 750 milhões. "Quero organizar o pagamento. Hoje tem uma tabela, com valores distintos. Minha proposta é que paguemos o preço médio do mercado, com uma remuneração de 27% para farmácias", disse o ministro. A proposta, no entanto, provocou uma forte reação do setor produtivo, que ameaça sair do programa. "Para alguns itens, a redução seria de 70%. Isso tornaria inviável nossa participação no Aqui Tem Farmácia Popular", afirma o presidente executivo da Associação Brasileira de Redes e Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sérgio Mena Barreto.

Nenhum comentário:

Pages